Voluntários montam ‘shopping’ para moradores de rua em São Paulo

08/12/2015 | Publicado por Ines | Cultura, Destaque, Notícias

Em vez de distribuir roupas e brinquedos, grupo de amigos montou espécie de shopping a céu aberto, onde clientes podem escolher o que vão levar.

ma ideia que mudou o Natal de quem não pode comprar e nem costuma ganhar presentes. Voluntários em São Paulo montaram um shopping na rua só com doações.

Em vez de distribuir roupas e brinquedos, um grupo de amigos montou uma espécie de shopping a céu aberto, onde os clientes, moradores de rua podem escolher o que vão levar.

Fila em shopping nessa época do ano não é exatamente uma novidade. Mas em um montado em uma praça na Penha, na Zona Leste de São Paulo, a história é diferente.

Os clientes são recepcionados um a um. Recebem uma pulseirinha, sacolas e depois vão às compras. Sheila foi a primeira a entrar: “Estou precisando de sapato, roupa, óculos”, diz.

Mas lá ninguém paga nada. Os clientes são moradores de rua. E as roupas e sapatos foram doados. No local, essas pessoas podem viver uma experiência rara para quem não tem nem onde morar. Elas podem escolher o que vão usar.

A ideia veio da África do Sul. A ONG ‘The Street Store’, que significa ‘loja de rua’, já fez ações como essa em 120 cidades do mundo. O Marcus Lima entrou em contato com a ONG e levou o evento para São Paulo.

Com uma campanha nas redes sociais ele e os amigos arrecadaram cinco mil roupas, 800 sapatos e 300 brinquedos, em quatro meses.

“Quando você vai no shopping, você escolhe o que você quer comprar, o que você quer beber. Você escolhe o corte de cabelo, como você quer se maquiar. Porque eles não podem? Nem que seja um dia. Se fizer a diferença em um dia deles eu acho que já é sucesso”, afirma o dentista e organizador do evento, Marcus Lima.

Fez toda a diferença para o catador Antonio Edivan. Ele é catador e está sem trabalhar por causa do braço machucado.

“Peguei já uma calça ali, duas bermudas, um tênis e um chinelo. Ano passado, nessa época ainda deu para eu comprar. Mas este ano aqui foi a minha compra”, relata.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *